mod_rewrite

Atenção, este blog foi migrado para: http://brunopereira.org

Hoje assisti a um Tech Talk bem interessante na Globo, sobre mod_rewrite. Além de funcionalidades interessantes deste módulo do Apache, as discussões na apresentação me trouxeram vários questionamentos de como incluir de forma mais ativa o Apache em uma arquitetura RESTFul.

Eu já utilizei bastante o Apache na remota época em que eu desenvolvia algumas coisas em Php. Na verdade não fazia nada de muito sofisticado, mas tinha boa familiaridade com os módulos, com a configuração, essas coisas. Depois que foquei mais no uso de servidores de aplicação Java, deixei o Apache em segundo plano. Praticamente só vinha usando o Apache para servir conteúdo estático, e claro, nele também ficam configurados os conectores para comunicação com os servidores de aplicação.

Como tenho trabalhado bastante com web services REST, venho tentando explorar ao máximo os recursos do HTTP para elaborar protocolos de comunicação concisos e intuitivos. Neste sentido, o Apache oferece recursos muito interessantes. Por exemplo, quando utilizamos URIs no formato /usuario/123456/item/25 para representar um determinado item de um determinado usuário, a resposta a esta requisição é cacheável pelo Apache. Entretanto, ao utilizar URIs neste formato você precisa definir uma forma de fazer o parsing da URI para pegar os parâmetros relevantes.

No meu artigo de REST da Java Magazine de Abril eu usei o StringTokenizer do JDK para fazer a quebra da URI e pegar os valores que me interessavam. A JSR-311 define uma forma bem interessante de fazer isso com annotations também. E hoje fui descobrir que o mod_rewrite também pode fazer facilmente a quebra de URIs neste formato em URIs com parâmetros em query string por exemplo.

Uma utilização inteligente do cache do servidor web e de módulos de proxy também pode tornar a arquitetura da aplicação bem eficiente e reduzir bastante a carga sobre os servidores de aplicação. Se eu posso utilizar diretamente o cache do Apache para várias URIs, não vale a pena deixar as requisições chegarem ao container de servlets, mesmo que ele responda também com dados em cache.

Vendo o poder e a facilidade de uso de alguns módulos do Apache, me sinto obrigado a ter total familiaridade com ele novamente. Aos poucos irei estudando e integrando os módulos do Apache à arquitetura das minhas aplicações REST, pois isto pode trazer um belo ganho de performance e escalabilidade. Afinal de contas, quem quer explorar a fundo os recursos do HTTP não pode abrir mão de explorar a fundo um servidor tão confiável e maduro como o Apache, não é mesmo?

OBS: uns anos atrás eu dizia pra mim mesmo que o dia que eu conhecesse pelo menos vagamente metade dos projetos na home da Apache Software Foundation eu já teria uma boa bagagem. Hoje em dia já conheço mais da metade do projetos da home, e admiro cada vez mais esta fundação. O mundo open source não chegaria aos pés do que é hoje sem a existência da ASF. Um belo exemplo de qualidade em software!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: